TECNOLOGIAS DA FLORESTA: MANEJO E PODA

Em nosso último post, falamos sobre um processo conhecido como “ciclagem de nutrientes” e como ele é importante para que haja uma troca contínua de substâncias essenciais para o solo e para as plantas.

Agroflorestal. Fazenda da Toca. Itirapina. SP. 03/10/2016

No post de hoje da série “Tecnologias da Floresta” vamos falar de processos que, muitas vezes, são responsáveis pelo sucesso ou insucesso de um sistema agroflorestal: o manejo e a poda.

Os SAFs são consórcios de culturas agrícolas com espécies arbóreas que podem ser utilizados para restauração, recuperação de áreas degradadas e, porque não, produção de alimentos orgânicos. Dentro desse sistema, é preciso avaliar as condições das espécies, sempre respeitando a sucessão natural (tempo) e a estratificação (espaço) de cada uma delas.

Para que esse sistema se torne ainda mais produtivo, com luz e matéria orgânica suficiente para o desenvolvimento das plantas, é muito importante fazer o manejo e poda das plantas de tempos em tempos, respeitando o ciclo de cada uma delas.

Esse processo é importante por diversos motivos, como gerar biomassa com a finalidade de construir as lareiras que ajudam a manter a umidade do solo e evitar a erosão , fazendo com que se transforme em uma fonte valiosa de nutrientes e energia. Além disso, auxilia a criação de ciclos fechados de nutrientes dentro do sistema, melhorando a qualidade do solo ao longo do tempo, reduzindo a utilização de insumos externos e os custos de produção e, principalmente, contribuindo para o microclima da região.

O manejo também é realizado quando algumas espécies estão causando o sombreamento excessivo, o chamado “fechamento de teto”, ou seja, quando as árvores fecham de tal forma a não permitir a penetração de luz solar suficiente para alcançar todos os estratos do sistema.

Nesse esse caso, quando uma poda de abertura é necessária, costuma-se cortar até 60% da altura da árvore, deixando o fuste limpo, com uma copa de 30% – 40% da altura total. Nesse momento, é muito importante considerar se há ao menos 50% da folhagem original para garantir uma taxa de fotossíntese que não comprometa a resiliência da espécie. A forma como os galhos serão cortados (com ferramentas adequadas e sempre rente ao tronco), garantirão uma cicatrização saudável e ausência de doenças, melhorando também a capacidade de rebrota e a qualidade da madeira.

Em nossas diversas áreas de pesquisa aplicada da Fazenda da Toca utilizamos os eucaliptos como principal árvore de serviço, sendo uma das poucas espécies de árvores capazes de suportar uma poda apical drástica, rebrotar e se restabelecer no ambiente.

Agroflorestal. Fazenda da Toca. Itirapina. SP. 03/10/2016

O processo da poda apical consiste no corte completo da porção superior (copa) da árvore, utilizando-se um sistema de torre acoplada em trator, desenvolvido na própria Fazenda. Nesse processo, desde que considerando os ciclos naturais e a fase da Lua, a copa da árvore rebrotará vigorosamente, sendo podada novamente no próximo ano. Nesse momento, há uma abertura de luz em todo o sistema, potencializando as outras culturas e o manejo da entrelinha de capim. A sombra retornará gradativamente ao sistema à medida que as árvores rebrotam, até o momento da próxima poda.

O manejo de poda apical garante um incremento diamétrico (ao longo do tronco) maior e uma diminuição no crescimento em altura, agregando valor e diminuindo o custo energético de colheita e processamento da tora. Dessa forma, cria-se uma madeira de melhor qualidade e maior valor, com uma menor pegada energética. Ainda, o material da poda (folhas e galhos) são triturados e, posteriormente, dispostos ao longo das leiras, garantindo a cobertura do solo e ciclando macro e micro nutrientes, que potencializam a vida no solo e retornam para as arvores e para os cultivos dos demais estratos abaixo.

Quer aprender mais sobre essas técnicas? Aqui na Toca temos diversos cursos e vivências que vão compartilhar desde a plantação com base nos sistemas agroflorestais, à aplicação de técnicas para aprimorar cada etapa da implementação desse sistema. Somos nosso próprio laboratório e gostamos de disseminar tudo que aprendemos por aqui. Quer vir conhecer nosso trabalho ou participar de algum dos nossos cursos? Acesse o link e venha nos visitar